Artigo, Qualidade Industrial, SPC

Cartas de controlo: quais as principais regras?

As cartas de controlo são essenciais, quer na identificação de tendências que prejudicam os processos produtivos, quer na tomada de decisão sobre as medidas corretivas adequadas.

De entre as diversas ferramentas da qualidade, a carta de controlo é uma das mais utilizadas na indústria para controlar a estabilidade dos processos.

Resumidamente, este gráfico determina estatisticamente uma faixa, denominada limites de controlo, limitada por uma linha superior (LSC) e uma linha inferior (LIC), e com uma linha central (LC), que representa a média. O objetivo é verificar, através do gráfico, se o processo está sob controlo, isto é, isento de causas especiais.

Existem várias formas de implementação, desde  a utilização do Excel, com as vantagens e desvantagens inerentes, até softwares especificas para o efeito. Recentemente lançámos uma ferramenta online gratuita – EasySPC – onde pode realizar rapidamente a análise de dados numéricos do seu processo.

Interpretação: Principais regras

A interpretação das cartas de controlo requer, por parte da pessoa responsável, experiência e conhecimento do processo, bem como conhecimento dos  princípios estatísticos para o uso das mesmas.

As cartas de controlo apresentam áreas delimitadas pelas linhas de controlo e a linha central, segmentadas em 3 zonas: A, B e C (ou 3σ, 2σ e 1σ).

A forma como os dados estão distribuídos nestas zonas, são indicativos do estado do seu processo.

A presença de determinados padrões, não aleatórios, aponta para a existência de causas especiais de variação.

A aplicação das regras da norma IS0 7870-2:2013 (conforme tabela seguinte) permitem detetar padrões sistemáticos e ajudam a encontrar a solução certa para os problemas que representam.

As situações fora do controlo são claramente identificadas pela primeira regra. As restantes aumentam a sensibilidade das Cartas de Controlo, prevenindo os falsos alarmes.  

Como se observa nas imagens acima, cada regra disparada numa carta de controlo tem uma explicação diferente sobre o estado do processo. Assim, uma boa formação dos operadores, e a definição de um plano de ação para cada tipo de alerta, é fundamental para uma correta implementação das cartas de controlo.

Ainda com dúvidas?

Obtenha resposta a todas as suas questões sobre as Cartas de Controlo, no e-book “Cartas de Controlo: Porque devo implementar?”

Este artigo foi útil?

Classifique este artigo

Uma vez que achou este artigo útil...

Siga-nos nas redes sociais