Pré-embalados, Qualidade Industrial

IPFA: o que são, vantagens e requisitos

Os Instrumentos de Pesagem de Funcionamento Automáticos, também conhecidos como IPFA, são um tipo de sistema de pesagem, cada vez mais utilizado na indústria. São capazes de realizar estas tarefas com grande competência, pois são sujeitos a um controlo rigoroso, claramente estabelecido a nível global, aceite e implementado pelos vários organismos reguladores.

A competitividade crescente da indústria requer, cada vez mais, a utilização de equipamentos que permitam uma maior eficácia produtiva, sem que os mesmo comprometam os elevados padrões de qualidade exigidos pelos vários organismos reguladores, garantindo produções uniformes e um comércio justo e transparente.

A rápida evolução da tecnologia digital e das telecomunicações, impulsionou fortemente a inovação da pesagem dinâmica, principalmente no que diz respeito ao registo e à transferência de dados, operações sem fios, diagnóstico, controlo remoto e segurança. O desenvolvimento de células de carga digitais e a melhoria da durabilidade dos equipamentos de forma a fornecer proteção máxima contra condições climáticas extremas e o uso inadequado, têm revolucionado de forma substancial a tecnologia de pesagem automática.

Instrumentos de Pesagem de Funcionamento Automáticos: o que são?

Um instrumento de pesagem de funcionamento automático, também muitas vezes designado por balança dinâmica, é um instrumento de medição que determina a massa de um produto sem a intervenção de um operador e segue um programa predeterminado de processos automáticos, característico do instrumento.

Os principais IPFA utilizados na indústria encontram-se descritos no quadro que de seguida apresentamos:

Os principais IPFAs utilizados na indústria

Vantagens da utilização de um IPFA

Os IPFA apresentam claras vantagens comparativamente com a tradicional pesagem estática, entre as quais se incluem:

– Aumento de produtividade;

– Cálculo automático e análise de dados em tempo real;

– Diminuição das margens de erro;

– Redução da dependência da assistência de um operador;

– Alertas instantâneos sobre o processo;

– Integração com outros sistemas existentes, permitindo uma melhor gestão de recursos.

Outras vantagens poderão existir consoante os âmbitos de aplicação dos instrumentos. Por exemplo, na indústria de expedição de encomendas e correio, este tipo de sistemas de pesagem, permitem uma otimização exponencial ao nível da classificação das dimensões e peso das encomendas e velocidade de entrega das mesmas.

Como é natural, os IPFA têm como principal desvantagem os custos de aquisição e de manutenção elevados, contudo em grande parte dos casos, são rapidamente colmatados com os ganhos provenientes da melhoria da eficácia dos processos. Os sistemas de pesagem automática, tal como já referido, estão também sujeitos a um tipo de controlo mais rigoroso, que também acarretam outros custos comparativamente às alternativas estáticas.

Que requisitos devem cumprir os IPFA?

Os IPFA utilizados, utilizados em Portugal, com objetivos comerciais devem cumprir os requisitos da Diretiva 2014/32/UE, que diz respeito à disponibilização no mercado de instrumentos de medição, conhecida como a Diretiva MID (Measuring Instruments Directive). No Anexo I desta Diretiva são definidos os requisitos essenciais deste tipo de instrumentos e, no Anexo MI-006, os requisitos específicos.

Conforme estabelecido na Diretiva MID, os IPFA são sujeitos a controlo metrológico legal, tendo de realizar, anualmente, verificações periódicas, de modo a salvaguardar a validade das medições que realizam. Para que isto seja possível, é importante que aquando da aquisição do equipamento, seja garantido, junto do fornecedor, que são garantidas as condições para que o instrumento de medição possa ser submetido a verificações periódica, nomeadamente, que tenham os modelos homologados e a Primeira Verificação.

Referências

Diversco, 2017, “The latest trends in weighing technology and benefits of weigh-in-motion technology”, disponível em https://diverseco.com.au/news/latest-trends-weighing-technology-benefits-weigh-motion-technology/, consultado em 28/10/2019.

Diretiva 2014/32/UE de 26 de fevereiro de 2014, relativa à harmonização da legislação dos Estados-Membros respeitante à disponibilização no mercado de instrumentos de medição (reformulação).  

Autor Rui Silva

Rui Manuel Pedrosa Silva

Mestre em Eng.ª do Ambiente, Rui Manuel Pedrosa da Silva realiza e coordena, há 11 anos, ensaios de verificação metrológica de Pré-embalados. Desde 2012, participa como formador e orador em vários seminários e formações sobre Controlo Metrológico de Pré-embalados. Atualmente desempenha funções de Gestor da Qualidade e Diretor Técnico na empresa Aferymed

Subscreva a nossa newsletter e receba sempre os conteúdos no seu e-mail.

Este artigo foi útil?

Classifique este artigo

Uma vez que achou este artigo útil...

Siga-nos nas redes sociais